Toda a Itália em quarentena.

O governo italiano decretou estado de quarentena para todo o país, restringindo a entrada e a saída de pessoas durante o surto do coronavírus. Foi o que comunicou ontem à noite (segunda-feira) o primeiro-ministro Giuseppe Conte. Recordamos que a Itália é o país mais sofre com o surto de covid-19 na Europa, com 463 mortos e 9.172 infectados. 

Essas mesmas medidas haviam sido adotadas no final da última semana na região da Lombardia e em outras 14 províncias italianas e agora se estende a todo o país. As ruas de Roma nesta manhã pareciam uma domingo de manhã. Naturalmente são muitas as pessoas que vão ao trabalho, como é o nosso caso dos funcionários da Rádio Vaticano – Vatican News.

"O contágio está crescendo. Adotaremos regras ainda mais fortes e rigorosas. Os hábitos precisam mudar agora pelo bem da Itália", disse o primeiro-ministro Conte, pedindo para que os cidadãos fiquem em casa. "Será possível se mover apenas por necessidade de trabalho, motivos graves ou por comprovadas razões de saúde", acrescentou.


Conte assinou ontem à noite o decreto que foi publicado durante a noite no Diário Oficial. A medida entrou em vigor na manhã de hoje e vale provisoriamente até 3 de abril, podendo ser prorrogada.


Cidadãos que tenham que ir de uma cidade a outra precisarão de autorização mediante apresentação de uma carta escrita de próprio punho, explicando os motivos do deslocamento. A restrição inclui também reuniões públicas e atividades em escolas, universidades e instalações esportivas. O campeonato de futebol também foi interrompido. A partir de hoje, todos os bares e restaurantes da Itália deverão fechar às 18h. Enquanto estiverem abertos, deverão respeitar a obrigatoriedade de distância de um metro entre os clientes, ou as atividades serão suspensas.


O primeiro-ministro anunciou que "não há tempo" para combater o avanço do vírus no país. "Todos devem abrir mão de algo para proteger a saúde dos cidadãos. Hoje é o momento de responsabilidade. Não podemos baixar a guarda", disse o premier Conte. Segundo Conte, há crescimento importante das infecções e das pessoas mortas.


Na segunda-feira a Conferência Episcopal Italiana decidiu o cancelamento de todos as missas no país, casamentos e funerais.


Na manhã de ontem segunda-feira, e na manhã de hoje, o Papa Francisco celebrou a missa na Capela da Casa Santa Marta, transmitida ao vivo, pela primeira vez para manifestar sua proximidade cotidiana aos que estão envolvidos na epidemia de coronavírus.


“Nestes dias, - disse o Papa oferecerei a missa para os doentes dessa epidemia de coronavírus, para os médicos, enfermeiros, voluntários que ajudam muito, familiares, para os idosos que estão em casas de repouso e  para os presos”.



 
Indique a um amigo
 
 
Notícias relacionadas