Oficial vaticano: racismo é contrário à nossa concepção da pessoa humana.

O cardeal Turkson, de Gana, observa como o problema não se limita aos Estados Unidos


O racismo “vai contra o fundamento de nossa concepção de pessoa humana”, disse o cardeal Peter Turkson, prefeito do Dicastério para a Promoção do Desenvolvimento Humano Integral (Vatican News, 3 de junho).

Reagindo aos violentos protestos que atingem os Estados Unidos Estados desde a trágica morte de George Floyd em Minneapolis em 25 de maio, ele pediu não apenas ação civil não-violenta, mas também perdão.


George Floyd, um afro-americano assassinado pela ação brutal de um policial que o prendeu, tornou-se um novo símbolo de um movimento de protesto contra o racismo nos EUA e em todo o mundo.


Desde sua morte, os Estados Unidos experimentaram uma “explosão espontânea de raiva e sentimentos fortes” entre seus cidadãos, disse o cardeal Turkson, o que levou a protestos durante os quais algumas pessoas se envolveram em violência, saques, vandalismo e incêndio criminoso.


Referindo-se ao pastor e ativista Martin Luther King Jr. (1929-1968) como exemplo, o prefeito do dicastério enfatizou que ele não podia deixar de compartilhar a ideia de um chamado à ação civil não-violenta para protestar contra o racismo, pois o racismo “vai contra o fundamento de nossa concepção da pessoa humana.”


Ele, no entanto, gostaria de acrescentar à ação civil não-violenta “um chamado ao perdão”, algo que considera ser a única maneira de honrar a memória de George Floyd.


Um momento de oração inter-religiosa e ecumênica


O cardeal de Gana disse que entende “a frustração justificada de milhões de irmãos e irmãs que ainda hoje vivem em humilhação… e desigualdade de oportunidades simplesmente por causa da cor de sua pele”.


A situação atual deriva de um fenômeno social que “não se limita aos Estados Unidos”, disse o cardeal, citando o Apartheid praticado na África do Sul, o sistema de castas em alguns países e a perseguição de aborígines na Austrália.


Para combater essas desigualdades estruturais, o cardeal Turkson considera necessário ir às raízes do mal e “reeducar no senso de humanidade, no sentido do que significa a família humana”.


Ele convidou os bispos e vários representantes religiosos americanos a se unirem em um evento ecumênico e inter-religioso para testemunhar essa fraternidade em um momento de reflexão comum. “Como Igreja Católica, é isso que podemos fazer: rezar por George”, disse.

 
Indique a um amigo
 
 
Notícias relacionadas